VOCÊ ESTÁ EM:
icone

WAGYU



Wagyu

O Wagyu é uma raça milenar japonesa conhecida desde a época dos samurais. Foi introduzido nos primórdios, objetivando animais para tração no cultivo de arroz. Os primeiros bovinos foram criados na região de Shikoku. Devido à dificuldade de viagem no terreno montanhoso da região, a expansão do gado foi lenta e restrita, ficando os animais isolados em áreas pequenas com população fechada. Este isolamento regional selecionou gado distinto entre as variadas regiões do Japão. Hoje o gado Wagyu é criado de norte a sul do Japão com temperatura ambiental variando de +40ºc a -40ºc, sendo, portanto, de grande adaptabilidade a diversas variações ambientais.

O rebanho bovino no Japão ficou oficialmente fechado por mais de 200 anos por meio de um mandato de um shogun que durou de 1635 até 1854. Com a “Restauração Meiji”, em 1868, o governo encorajou a importação de outras raças Européias para cruzamentos. Cada uma das várias regiões onde se criava gado preferia raças distintas, de modo que a variedade regional tornou-se enorme. Em 1910, constatou-se que o cruzamento não havia sido benéfico e, mais uma vez, o rebanho nacional seria fechado para o cruzamento.

Devido aos impedimentos geográficos para se viajar e, às divergências de opinião a respeito da seleção e criação, o gado de uma região tornou-se totalmente diferente do gado de outras regiões. As duas principais regiões onde o “Black” Wagyu se desenvolveu são Tottori e Tajima. O Gado em Tajima (atualmente denominada “Hyogo Prefecture”) foi selecionado devido aos seus pesados quartos dianteiros, já que foi inicialmente utilizado à frente de pesados carros de Boi de madeira. O gado dessa região tende a ser menor em estatura do que o gado de Tottori, sendo também, de forma geral, menos musculoso, mas produz carne de excelente qualidade com ampla área de Olho de Lombo. O gado de Tottori foi selecionado por seu tamanho e pela força de sua “linha de dorso” já que eram utilizados como animais de carga na crescente indústria siderúrgica da região. A qualidade da carne é moderada, tendo excelente habilidade materna. Essas diferenças são perceptíveis nessas duas linhagens até os dias de hoje.

O Wagyu de pelagem vermelha (Red Wagyu) foi inicialmente criado e desenvolvido nas ilhas de Kyushu e Kochi. Existem duas linhagens distintas de Red Wagyu (Kochi e Kumamoto). O Red Wagyu Kochi foi fortemente influenciado pela raça Korean, enquanto que o Red Wagyu de Kumamoto possui uma considerável influência da raça Simental. Devido a essas diferenças, o Red Wagvu Kochi é menor que o Kumanoto, com uma ossatura menor e sem a compactação natural do Red Wagyu Kumamoto. O Red Wagyu Kumamoto foi criado em uma região com uma relativa abundância de pastagem. É o gado de corte japonês que mais se assemelha ao gado de corte americano e europeu.

Nos primeiros anos da indústria pecuária do Japão, a linhagem das fêmeas era mais importante do que a linhagem dos machos. Isso se devia ao pequeno tamanho do rebanho de cada produtor. Os produtores preferiam as vacas, a fim de maximizar o número de bezerros, que poderiam produzir anualmente, dado à limitação de animais adultos que poderiam ser acomodados. A mais famosa linhagem de fêmea foi a “Tsuru-ushi”. Esta linhagem foi desenvolvida em Okayama Prefecture junto às montanhas Chugoku. Em 1941, oito linhagens de fêmeas foram estabelecidas, dando a base para as 37 linhagens de BIack Wagyu existentes hoje. As quatro melhores vacas das oito linhagens foram: Atsuta-zuru, Fuji-zuru, Yoshi-zuru e Azuma-zuru.

Com o advento da inseminação artificial, as linhagens de touros passaram a ser dominantes. A pressão para a seleção passou a ser maior no lado dos touros e a linhagem dos touros passou a ser mais importante que a linhagem das vacas. Atualmente, as três linhagens de touros mais importantes são: Doi, Nami e Manryu. Dessas três, a linhagem Doi é sem dúvida alguma a mais popular. Em algumas regiões, 70% do gado Wagyu contém Doi na sua linhagem.

O Wagyu (“wa” de japão, e “gyu” de gado, ou seja, “gado japonês”) é conhecido no mundo todo e destaca-se na gastronomia internacional em razão de sua capacidade de produzir uma carne extremamente macia, suculenta, saborosa e com aroma incomparável, devido a uma de suas principais características: O alto nível de marmoreio (gordura intra-muscular).

No Brasil, o gado foi introduzido em 1992 e atualmente são criados em praticamente todo o território nacional, mostrando-se um animal dócil, precoce, fértil, rústico e com bons resultados na produção de carne tanto no cruzamento quanto na raça pura.

O Wagyu (Também conhecido como “Kobe beef”, devido a fama dos bois originários da cidade de Kobe, no Japão) é também uma das carnes mais valorizadas no mundo. No japão, 1kg de carne de Wagyu ultrapassa facilmente o preço de R$ 1.000,00. Lá a qualidade da carne sempre manteve-se como algo em comum entre essas vertentes. Hoje em dia, em muitos lugares no Japão é comum o uso de massagens e a adição de cerveja e até saquê na dieta dos animais. Tudo visando à qualidade da carne. Tamanha excelência se dá devido ao intenso trabalho de análise e classificação de carne e carcaça desenvolvido pela “Japan Meat Grading Association”, que ao longo dos anos tem enfatizado o grau de marmoreio, a coloração da carne e da gordura como referência para classificar a carne de maior qualidade.

Fonte: Associação Brasileira dos Criadores de Bovinos da Raça Wagyu. 

Wagyu
voltar
PÁGINA
WagyuA.R.C.O.
GALERIAS
Cortes Wagyu Doce Vida Dezembro 201773ª Exposição Agropecuária de Alegrete
NEWSLETTER


Facebook Flickr
Todos os Direitos Reservados - Agropecuária Doce Vida Webde, Web for Business